segunda-feira, 28 de março de 2011

Resenha: Maze Runner - Correr ou Morrer - James Dashner

  Oi, povo feliz!
  Sim, mais uma resenha!! Haha Hoje é a de Correr ou Morrer, que eu terminei ontem mesmo de ler! Lá vai!

  Informações (Ir)relevantes:
         Original                                                                                                                
Nome: The Maze Runner        
Autor: James Dashner
Número de Páginas: 384 
Lançamento: 2009                                          
Editora: Random House Children's Books
_____________________
              Brasil
Nome: Maze Runner - Correr ou Morrer  
Número de Páginas: 492
Lançamento: 2010
Editora: Vergara & Riba                                



                                   Sinopse
  Original
  "When Thomas wakes up in the lift, the only thing he can remember is his first name. His memory is blank. But he s not alone. When the lift s doors open, Thomas finds himself surrounded by kids who welcome him to the Glade a large, open expanse surrounded by stone walls.
  Just like Thomas, the Gladers don t know why or how they got to the Glade. All they know is that every morning the stone doors to the maze that surrounds them have opened. Every night they ve closed tight. And every 30 days a new boy has been delivered in the lift.
  Thomas was expected. But the next day, a girl is sent up the first girl to ever arrive in the Glade. And more surprising yet is the message she delivers. 
  Thomas might be more important than he could ever guess. If only he could unlock the dark secrets buried within his mind."

  Brasileira
  "Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho. 
  Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. 
  Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. 
  Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo. Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito."


                   Um Livro Em Três Palavras    

          Boa-ficção-científica; Viciante; Breathtaking

            E, finalmente, a porcaria da resenha...      

   Thomas acorda em uma grande caixa metálica, sabendo apenas isso: seu nome. Ele não se lembra de nada da vida que levava. A caixa o leva até um lugar onde para abruptamente, e as portas se abrem parar revelar um grande grupo de garotos, que lhe dizem que está na Clareira,um grande espaço cercado por muros.
    Todas as manhãs, esses muros se abrem, revelando o Labirinto, um grande emaranhado indecifrável de corredores e paredes, que se movem a cada dia.Os Clareanos, como são chamados os moradores da Clareira, devem encontrar a saída do Labirinto, e da Clareira.
    E é aí que acontece o impensável: chega uma garota a um lugar odne por mais de dois anos só chegavam garotos, um por mês. Na chegada dela encontra-se tudo que poderia de estranho: ela é a primeira garota a chegar, chega apenas um dia depois de Thomas, e carrega consigo uma mensagem, que preocupa todos os Clareanos...
    Desde o começo, o livro já consegue te prender. A narrativa no ponto de vista de Thomas consegue ser cativante de alguma maneira... Mas de uma maneira muito forte! Você não consegue soltar o livro, e a cada página há uma surpresa!
    Como eu disse no W-I-R W sobre o livro, esse livro é malvado: ele tem capítulos pequenos, e o fim de cada um é um cliffhanger, então você fica com aquela ânsia de "Só mais um capítulo...", e termina chegando ao colégio que nem um zumbi (ou melhor, Unconsecrated ¬¬) - experiência própria! 
    A história em si já é muito boa, a ideia é bem diferente. E também Dashner consegue utilizar essa ideia da melhor maneira possível, com uma narrativa forte e viciante, e com personagens que só ajudam no ambiente sombrio e perdido da história.
    E como eu gosto de ser chato: A minha única reclamação é com a versão em português... Primeiro, eu quero que a V&R entenda que minha opinião não é sobre a editora, e sim sobre o tradutor (que, a propósito, eu não faço ideia de quem seja ¬¬)! Eu já li alguns livros da série Diário de um Banana em português, e a tradução ficou ótima! Mas a de Maze Runner...
    A tradução é, realmente, fraca! Desculpas ao tradutor, mas parece que o único que você fez foi botar no Google Tradutor e dizer "Deixe pra lá!"! Tudo bem que algumas palavras inventadas do livro não tinham como ser traduzidas melhor, mas várias expressões mesmo da língua inglesa poderiam ser tão melhor traduzidas! 
  Não quero te corrigir! Sou apenas um adolescente qualquer, e não sei se faria melhor, mas pelo amor de Deus, como traduzir "sounds good" como "bom isso"?! Se não estivesse no contexto, e se eu não tentasse passar às vezes algumas das partes dos livros que leio em português para o inglês (¬¬), eu nunca saberia que era isso que eles queriam dizer! Dá a impressão de "Não ligo", de "Dane-se"! E não é isso que a expressão quer dizer!
     Apesar disso, e de uma pequena falta de coerência (do autor mesmo) na quantidade de jovens e o tempo passado na Clareira, o livro é ótimo! Recomendo a qualquer um que goste de ficção científica, thriller, um pouco de suspense, e muita aventura! Ah, e violência! Muuuita violência! Haha


  Nota


Book Geek!
  

  Nota para a capa (1 a 5): 4; O garoto correndo no labirinto e as sombras passam a mesa impressão de escuridão e medo que o livro passa.

  É isso, povo! Espero que tenham gostado!
  Boa leitura!

4 comentários:

  1. A tradução não está ruim... eu li em Inglês o segundo - está bom não TODO o livro - e eu tenho que admitir, e Grilo Falante, vc sabe q não falo isso NUNCA, mas a tradução ficou muito melhor a ideia do Dasher é ótima, maravilhosa mas pelo menos no segundo livro em Inglês vc 1º) não percebe nenhum cliffhanger 2º) O estilo do cara subitamente muda (ou é só a tradução?) e 3º) Eu COM CERTEZA vou esperar chegar em português para ler o livro!

    ResponderExcluir
  2. ah cara sei la é so minha opiniao eu não consegui gostar da tradução... anyway eu vou comprar The Scorch Trials no meio do ano!!!!! YEAAAH!! Haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Eu tava pensando em comprar o livro e ta mais barato em português, mas depois que experimentei ler alguns capítulos online a tradução me incomodou demais. Tem muitos momentos em que o diálogo é todo formal enquanto que na versão original eles falam de forma bem informal.

    Eu também reparei muitas expressões mal traduzidas, por exemplo no capítulo 15 qdo o Newt fala sobre corredores e de qdo ele foi um ele diz "I don't miss it" e na tradução ficou "Nunca me esqueço disso" o que não tem nada a ver!! Logo depois qdo o Thomas fala q quer ser corredor o Newt diz "too early for death wishes", e na tradução ficou "cedo demais para ficar tendo vontades" o que ficou super esquisito.

    Li apenas alguns capítulos e a tradução me incomodou pra caramba então acho que vou é pagar mais caro e comprar os originais

    ResponderExcluir